Tudo a Custo Zero: Ranking: Os Supermercados Mais Baratos do País

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Ranking: Os Supermercados Mais Baratos do País

Estudo da Deco Proteste analisou 480 lojas e comparou mais de 54 mil preços de produtos em todo o País.
A cadeia Jumbo é a melhor solução para o cabaz com as marcas mais vendidas.No cabaz combinado, a vantagem do Jumbo é mais significativa.
Na hora de poupar, todos os cêntimos contam. E se em causa estiverem as compras de supermercado facilmente a poupança pode chegar a muitos euros. Foi o que a Deco Proteste comprovou numa nova ronda pelo País em busca do supermercado com os preços mais em conta.

À semelhança do ano passado, a associação de consumidores concluiu que os hipermercados Jumbo, detidos pelo grupo Auchan, são os que permitem as poupanças mais elevadas. A Deco verificou ainda que a diferença de preços entre a loja mais cara e a mais barata para um determinado cabaz de produtos pode permitir uma poupança anual de até 350 euros.



Foram recolhidos mais de 54 mil preços para dois cabazes de produtos - um só com marcas de fabricante e outro que mistura as de fabricante e as marcas da distribuição - em 480 estabelecimentos. Uma análise que, segundo a Deco Proteste, permitiu cobrir as lojas de mais de 80% do território nacional, incluindo ilhas.

O ‘ranking' da classificação para Portugal Continental das cadeias mais baratas é liderado pelo Jumbo, que se impõe tanto nos produtos de mercearia e drogaria como nos frescos. segue-se o Pingo Doce na segunda posição e o Continente no terceiro posto (ver tabela). "Numa análise global, o Jumbo continua a sobressair à frente dos principais rivais, mas essa diferença encurtou. A concorrência mexeu-se mais", explicou ao Diário Económico António Meyrelles do Souto, coordenador do estudo. Em termos globais, os preços na cadeia francesa são em média 11% mais baratos do que a retalhista que ocupa o último posto, a Spar. Face ao Pingo Doce e ao Continente a diferença é de 2% e 3%.

Na cesta de compras que contempla o ‘mix' marcas de fabricante e de distribuição, o Jumbo volta a garantir a liderança, seguido também pelo Pingo Doce e pelo Continente.

Em termos geográficos, Lisboa, Faro e Santarém foram os distritos onde foi identificada a maior disparidade de preços entre o estabelecimento mais barato e o mais caro. Nessas regiões, a poupança atinge sempre a casa dos 20%, salienta a Deco Proteste. Dentro do distrito de Lisboa, optar por adquirir um cabaz de compras no Jumbo do Dolce Vita Tejo permite uma poupança anual de 348 euros face à compra dos mesmos produtos na loja Spar de Cascais. Já em Faro e em Santarém as diferenças de preços cifram-se nos 300 e 275 euros, respectivamente. Já no lado oposto, a Guarda, Portalegre e Beja foram os distritos onde a Deco Proteste identificou a menor diferença de preços, ou seja, onde o consumidor pode poupar menos.



Na análise da associação de consumidores também foram consideradas quatro lojas ‘online': Jumbo, El Corte Inglés, Continente e Froiz. Entre estas, o Jumbo também domina, permitindo uma poupança de 102 euros face à loja mais cara: a Froiz.

Contudo, António Meyrelles do Souto salienta que a loja ‘online' pode não ser a opção mais barata face à loja física do seu distrito.

Para ajudar os consumidores a perceber quanto podem poupar numa ida ao supermercado, a Deco Proteste disponibiliza no seu site um simulador, onde todos os consumidores podem introduzir o seu próprio cabaz de produtos e identificar a loja que mais lhes convém na sua região.


Outras análises

Cabaz com marcas próprias permite poupar até 24%
A crescente aposta das cadeias na disponibilização de produtos de marcas próprias tem permitido a muitas famílias aliviar a factura mensal com as compras de supermercado. Tendo em conta isso, a Deco Proteste também incluiu no comparativo de preços de supermercado um cabaz ‘mix', onde entre os 83 produtos de marca de fabricante substituiu 38 por marcas mais económicas ou do distribuidor. Essa alteração, permitiu reduzir a factura de supermercado em 24%, em média. "Fazendo os cálculos para uma despesa de 150 euros ao mês, conseguimos juntar 26 euros por mês ao orçamento familiar, ou seja, uma poupança total de 312 euros ao ano", explica a Deco Proteste. Em metade das dez cadeias consideradas no estudo, a poupança ultrapassa os 25%. Nas lojas Continente Modelo, a poupança ascende mesmo a 28% e no Jumbo a 27%. Já no Coviran e na Spar, o diferencial fica-se pelos 18% e 14%, respectivamente, face ao cabaz com produtos de referência. Em termos do ranking de cadeias, o Jumbo volta a liderar, com o cabaz mais barato, logo seguido pelo Pingo Doce e pelo Continente. Face à cadeia mais cara - a Spar - o diferencial de preços para o Jumbo ascende a 25%.


Cartão Continente vai mais longe que a concorrência
Os cartões de desconto de seis cadeias de supermercados também foram alvo de escrutínio da Deco Proteste. Designadamente, os do Continente, Jumbo, MiniPreço, Intermarché, E.Leclerc e Pingo Doce. A associação de consumidores concluiu que o Continente é o que vai mais longe ao atribuir cinco euros por cada 500 euros de compras, o que significa um desconto de 1% aos clientes frequentes. "O Continente é o único que poderia ser transposto para o estudo com menos 1% face à percentagem divulgada", refere António Meyrelles Souto, que refere também a oferta mais ou menos frequente de descontos para o carrinho. Já o pagamento com cartão Jumbo permite um desconto imediato de 10%, mas só sobre alguns produtos. Mas se não utilizar o cartão durante 12 meses, é cobrada uma comissão desde cinco euros. Já o MiniPreço oferece cupões de desconto para produtos indicados, enquanto no Intermarché e no E.Leclerc possível acumular descontos na compra de produtos. O Pingo Doce também aderiu à moda dos cartões, em parceria com a BP, em que por cada 40 euros o cliente acumula dois euros para abastecer em combustível. Este valor acumula no bolo mensal em que por cada 250 euros desconta cinco euros na BP. O titular do "Poupa Mais" também encontra alguns produtos com promoção na loja e recebe correio personalizado com descontos.


Arquivo do blogue